Jovem pisa em espinhos, contrai infecção no coração e precisa amputar o pé em MG

Gabriela Melo, que chegou a ficar internada na UTI, superou várias outras complicações durante cinco anos. Com a prótese que deve receber em breve, a expectativa é voltar a ter uma vida normal.

Gabriela Melo, de 29 anos, natural de Ubá, é um exemplo de superação para quem acredita que lutar para sobreviver é a melhor saída. A jovem contraiu uma infecção bacteriana ao pisar em espinhos que estavam atolados na lama, durante um dia de descontração em um sítio na cidade em que nasceu. Após 5 anos de luta, ela tomou a decisão de amputar parte da perna para retornar à normalidade.

Por um acaso infeliz

Pés da Gabriela Melo que foram afetados aos pisar em espinhos — Foto: Gabriela Melo/Arquivo Pessoal

Era um dia comum de dezembro no sítio. Gabriela caminhava descalça, quando percebeu algumas fincadas no pé no momento em que pisou no barro formado após as típicas chuvas de verão na cidade mineira.

Os primeiros sintomas percebidos nos dias posteriores foram dores intensas nos pés e nas articulações, febre em torno de 40 ºC e fadiga. Ainda naquele mês, a moça procurou um especialista em ortopedia para garantir que não havia nada de errado.

Com pouca melhora, em 3 de janeiro de 2018, a jovem foi internada para verificar a real situação. Uma cardiologista acompanhou o caso e detectou a concentração de bactérias na válvula do coração, a partir do exame de ecocardiografia transesofágica.

Também houve comprometimento do fígado e hemorragias em outros órgãos, obrigando Gabriela a passar por diversas transfusões de sangue. Com o agravamento da situação, ela foi transferida para a UTI, onde permaneceu em coma.

Controlada a infecção e já em casa, ela ainda passou por dias difíceis no tratamento, inclusive sem poder andar.

“As pessoas me ajudaram em tudo que podiam, principalmente minha família, porque eu fiquei muito limitada. Não estava andando depois que tive alta, eu fiquei com desnutrição severa, então tinha que comer de duas em duas horas”, explicou.

Solução dolorosa

Daquele 2017 em diante, a vida de Gabriela nunca mais foi a mesma. Durante todo esse tempo, foram várias as dificuldades enfrentadas por ela na rotina diária.

Jovem passou por alguns processos de internação, inclusive na UTI — Foto: Gabriela Melo/Arquivo Pessoal

Até que, em setembro deste ano, ela e a equipe médica optaram por uma dolorosa solução: amputar a perna.

“Ter que fazer curativo todo dia, amarrar sacola no banho porque não podia molhar o pé. Se tinha que viajar era um problema porque, às vezes, ia para a praia e não podia entrar na água, tinha que ter um cuidado com a areia…”

 

A necessidade do procedimento foi confirmada quando a médica que cuida da ubaense constatou uma osteomielite, inflamação do osso causada por infecção, que estava tomando o pé atingido pelos espinhos. Segundo a equipe médica, o novo caso clínico poderia comprometer novamente o coração em uma nova endocardite.

Desta forma, não houve outra decisão a não ser optar pela amputação do membro.

Expectativas

Depois meses após realizar o procedimento, Gabriela ainda recebe o tratamento adequado para controlar o inchaço causado pela cirurgia. Superada essa fase, o próximo passo será o recebimento de uma prótese.

A amputação, segundo ela, foi um alívio e também uma expectativa de recomeço.

“Minha expectativa para o futuro é que eu consiga realizar tudo que não pude nesses cinco anos. Quero voltar a jogar futebol, poder viajar, poder ir e vir sem ter que me preocupar com nada. Não ter que fazer o curativo todo dia já é um alívio também”.

Esta gostando do conteúdo? Compartilhe!